Cloreto de Magnésio – Benefícios, Efeitos Colaterais, Para Que Serve e Como Tomar

cloreto de magnésio

O cloreto de magnésio é um mineral altamente importante e essencial tanto para a vida humana como dos animais. Sem ele o corpo humano seria incapaz de manter fluidos nos vasos sanguíneos, realizar transmissões nervosas, mover os músculos, ou manter a função renal adequada. Como um dos principais minerais eletrólitos do corpo, o cloreto de magnésio desempenha muitas funções, e é rapidamente excretado do corpo.

O cloreto de magnésio é a forma mais eficaz deste mineral quando se trata de desintoxicação celular, porque tem um forte efeito de excreção de toxinas e energias estagnadas nos tecidos do corpo, puxando-os para fora através dos poros da pele.

Ao ser combinado com hidrogênio, no estômago, ele colabora na produção de ácido clorídrico, uma potente enzima digestiva responsável pela degradação de proteínas e a absorção de outros minerais. 

Para que serve o Cloreto de Magnésio?

O cloreto de magnésio é um suplemento mineral utilizado para prevenir e tratar deficiência de magnésio no sangue. O magnésio é muito importante para o funcionamento normal das células, nervos, músculos, dos ossos, e do coração. Normalmente, uma dieta bem equilibrada fornece o suficiente para níveis normais de magnésio no sangue. No entanto, certas situações fazem com que o corpo perca magnésio mais rápido do que a dieta consegue repor.

Estas situações incluem o tratamento com diuréticos e remédios para hipertensão, alcoolismo, dieta deficiente, diarreia grave, vômitos frequentes, problemas de absorção intestinal e de estômago e diabetes mal controlada.

Certos alimentos, como nozes, grãos integrais, feijão e espinafre, são ricas fontes de magnésio e suplementos de cloreto de magnésio não são necessários, a menos que o organismo tenha deficiência do mineral.

Com se dá a absorção do Cloreto de Magnésio? 

O magnésio é inegavelmente terapêutico para o corpo humano, mas muito não é dito sobre o tipo e a qualidade de várias formas de magnésio.

Nem todos os tipos de magnésio proporcionam os mesmos benefícios reconhecíveis. À semelhança de outros minerais com valor nutricional, o magnésio ocorre de várias formas orgânicas e inorgânicas na natureza, e cada uma tem diferentes graus de eficiência na nossa saúde, por isso precisamos saber como tomar.

O óxido de magnésio, por exemplo, é a forma mais comum de magnésio vendido em farmácias e mercearias, mas pesquisas mostram que sua absorção é baixa.

O cloreto de magnésio de ocorrência natural tem demonstrado maior biodisponibilidade e benefícios superiores para a saúde. Seu uso terapêutico é especialmente recomendado devido à rapidez da sua ação.

Como tomar cloreto de magnésio?

O cloreto de magnésio, quando tomado por via oral, é mais bem absorvido se ingerido junto com uma refeição. Isto também serve para reduzir dores de estômago e diarreia, a menos que o médico o instrua de forma diferente.

Cada dose deve ser tomada com um copo cheio (240 mililitros) de água.

Se a indicação for a ingestão de cápsulas de liberação prolongada com revestimento entérico, não esmague ou mastigue a cápsula para não liberar todo o conteúdo de uma só vez, aumentando o risco de efeitos colaterais.

Se você estiver usando a forma líquida do produto, meça cuidadosamente a dose. Se você estiver usando uma suspensão, agite bem o frasco antes de cada dose.

Tome o medicamento regularmente e em horário fixo todos os dias a fim de obter o máximo benefício do mesmo. Lembre-se que a dosagem é baseada em sua condição médica e a resposta ao tratamento depende dela, portanto não aumente a dose ou o tempo de ingestão além do indicado na embalagem ou prescrito pelo seu médico. O excesso de magnésio no sangue pode causar efeitos colaterais graves.

O limite tolerável para adultos é de 350 miligramas por dia.

Benefícios do Cloreto de Magnésio

 

1. Previne o infarto do miocárdio

Muitas vezes acontece o infarto agudo do miocárdio por deficiência de magnésio então, a sua ingesta atua como preventivo e curativo pois sana as palpitações e arritmias que tão frequentemente são os primeiros sintomas de sofrimento cardíaco.

A hipertensão ocorre em cinquenta milhões de americanos e é responsável por cerca de 29,3 milhões de visitas por ano, ao consultório de médicos alopatas. Medicamentos anti-hipertensivos são entregues na maioria destas consultas, no entanto, o magnésio tem sido utilizado com sucesso há quase meio século por médicos, osteopatas, e naturopatas .

Algumas das primeiras evidências para a utilização do magnésio contra as doenças do coração, vieram de estudos epidemiológicos no País de Gales, Taiwan, Suécia, Finlândia e Japão, mostrando que as taxas de mortalidade por doenças coronárias são mais elevados em comunidades que consomem água e dietas com deficiência de magnésio.

Áreas geográficas onde o nível de cálcio na água era muito maior do que o de magnésio, ou quando a ingestão dietética de cálcio é superior ao magnésio, mostraram maior indicio de doenças no coração.

Um estudo realizado nos EUA feito durante um período de sete anos, seguindo quatorze mil homens e mulheres, concluiu que o baixo nível de magnésio na dieta diária pode contribuir para a aterosclerose coronária e ataque cardíaco agudo.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças em Atlanta seguiu doze mil pessoas por 19 anos, ao final dos quais 4.282 pessoas
tinham morrido, 1.005 de doença cardíaca. O risco de morrer de doença cardíaca foi maior naqueles que apresentavam deficiência em magnésio.

Os pesquisadores fizeram uma estimativa conservadora, de que 11 por cento de meio milhão de pessoas que morreram de doenças cardíacas em 1993, pode ter sido diretamente relacionada à deficiência de magnésio. Se tivessem sido utilizadas medições mais precisas para determinar a deficiência de magnésio, tais como teste de iões de magnésio ( magnésio – ionizado ) descobririam que os números eram ainda mais elevados e a necessidade de magnésio ainda maior.

A evidência vem-se acumulando ao longo das décadas, em que se vem observando que o magnésio tem um papel crucial tanto na prevenção de aterosclerose , como arteriosclerose. O Magnésio mantém a elasticidade da parede arterial, e é necessário para manter os músculos saudáveis, incluindo o próprio músculo cardíaco. Por todas estas razões, o magnésio é críticopara manter um coração saudável.

Um dos químicos metabólicos principais no nosso corpo  é o óxido nítrico (NO) . É um composto simples feito de nitrogênio e oxigênio, mas isso envolve uma poderosa atividade. O óxido nítrico controla a vasodilatação, mas essa atividade é feita sob a direcção do magnésio.

A capacidade do magnésio para neutralizar os efeitos nocivos do coração pelas catecolaminas (produtos induzidos pelo stress, adrenalina e cortisol ) é o milagre que pode evitar os efeitos colaterais de um ataque cardíaco agudo, bem como a arritmia.

A deficiência de magnésio contribui para ritmos anormais do coração, possivelmente porque o magnésio é responsável pela
manutenção de concentrações normais de potássio e de sódio nas células do músculo cardíaco. Um balanço entre potássio, sódio, cálcio, e magnésio, permite a contracção normal do músculo do coração e mantém os batimentos regulares.

O magnésio é também um tratamento indicado para arritmias ventriculares, insuficiência cardíaca congestiva, onde o coração está fraco e é incapaz de ser esvaziado após cada batimento, e antes e após a cirurgia cardíaca, incluindo a revascularização do miocárdio.

Todos estes estudos indicam que a frequência de arritmia ventricular é reduzida pela administração de magnésio intravenoso, e apoiam a administração de uma alta dose de magnésio intravenoso no início do enfarto do miocárdio.

2. Dissolve a maioria dos cálculos renais

Tomando magnésio se reduz as chances de formação de cálculos renais de cálcio pois, este elemento impede as calcificações em lugares inadequados combatendo a acumulação do oxalato de cálcio, o tal que forma as pedras nos rins, em 90% dos casos.

3. Melhora a qualidade dos ossos e dentes

Os processos de osteoporose regridem significativamente com a ajuda do magnésio na forma de cloreto já que, está comprovada a relação entre o consumo de cálcio e a absorção de magnésio. Um sem o outro não funcionam.

4. Auxilia no tratamento da asma

20% dos asmáticos são deficientes em magnésio e este elemento ajuda no tratamento pois tem a qualidade de melhorar o sistema imunológico e de diminuir os processos inflamatórios.

5. Resolve o cansaço crônico

Baixos níveis de magnésio costumam estar correlacionados com as ocorrências de cansaço crônico sem causa conhecida e, no caso, o magnésio melhora a capacidade do organismo em converter alimentos em energia.

6. Enxaquecas ou migrenas

O magnésio é um vasodilatador por excelência promovendo muito rápida melhora em casos de dores de cabeça mas, no caso das enxaquecas, a este efeito se soma a sua ação curativa no figado e vesícula, agindo como desintoxicante hepático.

7. Melhora a função renal

O cloreto de magnésio ajuda ao bom funcionamento dos rins como filtros mantendo as vias urinárias oxigenadas e desimpedidas de acúmulos de cálcio.

8. Síndrome metabólica

Com o magnésio se trata a resistência insulínica, uma das causas primeiras da hipertensão essencial e esta, a função mais primária a ser tratada na síndrome metabólica.

9. Melhora a função hepática

Em casos de figado gorduroso ou de alcoolismo, este elemento é essencial para a melhora da função hepática possibilitando ao figado a sua recuperação.

10. Combate o estresse

O cloreto de magnésio ajuda no combate ao estresse típico do tipo de vida assumido atualmente pelas sociedades ocidentais. Nesse tipo de estresse o nosso organismo perde muito magnésio por mecanismos neurohormonais o que altera a química do nosso cérebro, nos tornando mais sensíveis ainda aos fatores que o geram.

11. Calmante do sistema nervoso

O cloreto de magnésio tem um efeito calmante no sistema nervoso e ajuda no bom descanso noturno, acalma nervos superexcitados, impede crises epiléticas e convulsões.

12. Regula a menstruação e tpm

O magnésio tem ação regulatória nas glândulas e, por este efeito, também ajuda na diminuição dos sintomas típicos da tensão pré-menstrual e menstrual, prevenindo e tratando também as cólicas neste período.

13. Melhora a digestão e beneficia o estômago

O cloreto de magnésio tem um papel essencial na produção de ácido clorídrico no estômago. Algumas pessoas simplesmente não produzem ácido clorídrico suficiente (HCl), o que pode resultar em uma série de problemas de saúde relacionados ao metabolismo e absorção de nutrientes. À medida que envelhecemos, a produção de HCl no estômago diminui, muitas vezes de forma dramática.

O uso de cloreto de magnésio como um suplemento também pode ajudar a reduzir muitos problemas advindos da diminuição de secreção de ácido gástrico no estômago, como má absorção de vitaminas e minerais, má digestão e aumento da susceptibilidade a bactérias, vírus e leveduras que passam através do intestino.

O cloreto de magnésio aumenta a produção de ácido gástrico, aumentando assim a absorção e a assimilação de magnésio e melhorando a eficiência digestiva como um todo, criando um ambiente ideal para a assimilação de micronutrientes essenciais importantes para a saúde, especialmente à medida que envelhecemos.

14. Reduz o risco de diabetes

A ingestão de magnésio melhora a sensibilidade à insulina, reduz a inflamação sistêmica e, portanto, o risco de diabetes.

15. Impede o risco de parto prematuro

Magnésio reduz a ocorrência de partos prematuros pois tem o efeito de reduzir as contrações uterinas antecipadas. E também é importante saber que, durante a gravidez o nosso organismo precisa de muito magnésio para a boa formação fetal.

16. Melhora o ph do nosso organismo

A ingestão de magnésio promove o reequilíbrio do nosso pH reduzindo os casos de acidificação do sangue e suas consequências: doenças e infecções.

17. Previne a obstipação

O intestino preso pode ser ajudado com o uso do cloreto de magnésio que auxilia na criação de um ambiente mais úmido para as fezes melhorando também os movimentos peristálticos necessários para a expulsão destas.

18. Normaliza os níveis de colesterol

O nível adequado de magnésio no organismo regula a produção de colesterol do tipo LDL e HDL e mantendo-os no equilíbrio necessário à boa saúde.

29. Reduz o risco de câncer e tumores

A ingesta de cloreto de magnésio aumenta o magnésio existente nas nossas células o que as mantêm saudáveis impedindo, muitas vezes, a formação de tumores cancerígenos.

20. Melhora as funções cerebrais

O consumo de cloreto de magnésio potencializa as funções cerebrais de aprendizagem e diminui a sua perda no envelhecimento.

21. O Óleo de Cloreto de Magnésio é benéfico quando aplicado topicamente

O uso de cloreto de magnésio é eficaz no tratamento de uma variedade de sintomas, incluindo aqueles relacionados à pele, músculos e sistema nervoso. Entre eles podemos citar a psoríase, espasmos musculares, problemas de sono e muito mais.

Um pequeno estudo conduzido pelo Dr. Norman Shealy, fundador da Associação Americana de Medicina Holística, fornece pesquisa documentada sobre o efeito do uso tópico de cloreto de magnésio na química do sangue. Dr. Shealy comparou os níveis intracelulares de magnésio em participantes antes e depois de um período de aplicação tópica diária de cloreto de magnésio através de banhos de pulverização de óleo.

Entre os pesquisados, 75% mostraram aumento dos níveis intracelulares de magnésio.

22. Ajuda a impedir complicações geradas pela deficiência de Magnésio

Se a deficiência de magnésio não é tratada, podem surgir complicações. A falta de magnésio suficiente no corpo reduz a absorção de outros minerais, tais como cálcio e potássio. Tomar cloreto de magnésio para a deficiência de magnésio pode ajudar a prevenir complicações relacionadas, como níveis baixos de cálcio e potássio no sangue.

23. Promove a saúde cardíaca

O magnésio garante ritmos cardíacos normais. Algumas pesquisas levam os benefícios do mineral um passo adiante, sugerindo que ele pode desempenhar um papel na prevenção de doenças cardíacas em longo prazo.

Estudos mostram que pacientes com doença cardíaca costumam apresentar baixos níveis de magnésio no sangue, mas ainda são necessárias mais pesquisas para provar uma ligação concreta entre os níveis do mineral e a saúde do coração. 

24. Regulariza a pressão arterial elevada

O magnésio reduz a tensão da musculatura vascular melhorando a circulação e baixando a pressão arterial.

 

Eventuais Efeitos Colaterais do Cloreto de Magnésio

A ingestão de cloreto de magnésio irá elevar os níveis de magnésio em seu corpo. Você pode, no entanto, experimentar alguns efeitos colaterais como:

  1. Diarreia: Suplementos de cloreto de magnésio, geralmente vendidos na forma de comprimidos de libertação prolongada, comumente causam diarreia. O recomendado, no entanto, é verificar com o seu médico se este sintoma persistir.
  2. Reações alérgicas: Qualquer tipo de reação alérgica ao tomar suplementos de cloreto de magnésio requer procurar atendimento médico imediatamente. Os sintomas podem incluir dificuldade em respirar, sensação de aperto no peito, uma erupção cutânea, urticária, coceira, inchaço da face, língua, lábios ou na boca.
  3. Outros efeitos graves: Reflexos lentos ou náuseas ao tomar suplemento de cloreto de magnésio são sintomas graves e precisam de atendimento médico. Da mesma forma, diminuição do batimento cardíaco, visão dupla ou turva ou sonolência acentuada requerem cuidado imediato.

Contraindicações ao uso de Cloreto de Magnésio

Vamos acentuar que uma dieta balanceada geralmente supre as necessidades diárias de magnésio no organismo e a suplementação de cloreto de magnésio somente é necessária em casos em que haja deficiência do mineral.

Há contraindicações em relação ao uso indiscriminado de cloreto de magnésio porque o excesso de magnésio no corpo pode afetar o sistema nervoso, causar aumento da pressão arterial e diminuição da frequência respiratória.

Níveis extremamente elevados de cloreto de magnésio em seu sistema podem levar ao coma, paralisia respiratória ou até mesmo a morte. A dosagem limite, tolerável para adultos, é de 350 miligramas por dia.

Os alimentos com maiores quantidades de magnésio

A maioria das pessoas pode manter a quantidade de magnésio em níveis saudáveis sem recorrer a suplementos, simplesmente comendo uma dieta equilibrada, com abundância de vegetais de folhas verde-escuras.

É importante mencionar que os níveis de magnésio nos alimentos dependem dos níveis de magnésio no solo onde eles são cultivados. Portanto, os alimentos orgânicos podem ter mais magnésio, porque a maioria dos fertilizantes utilizados na agricultura convencional têm como base nitrogênio, fósforo e potássio em vez de magnésio.

Por esta e outras razões, muitas vezes vale pagar o preço um pouco mais caro dos orgânicos e investir neste tipo de vegetal.

Veja alguns alimentos específicos que são excepcionalmente ricos em magnésio:

Alimento – Valores equivalentes a 100 gramas de alimento 

  • Algas marinhas: 770 mg
  • Manjericão seco: 422 mg
  • Coentro seco: 694 mg
  • Sementes de linhaça: 392 mg
  • Sementes de abóbora secas: 535 mg
  • Manteiga de amêndoa: 303 mg
  • Cacau e pó sem açúcar: 499 mg
  • Whey (Soro de leite em pó): 176 mg

Diferentes tipos de suplementos de Magnésio

Há uma grande variedade de suplementos de magnésio no mercado. É preciso lembrar que não há tal coisa como um suplemento de magnésio 100%, isto porque o magnésio precisa ser ligado a outra substância, e é exatamente a substância utilizada em qualquer dada combinação de suplemento que vai afetar a absorção e a biodisponibilidade do magnésio no organismo, assim como o seu preço. Esteja atento sobre onde comprar o produto e saiba distinguir a diferença entre eles:

  1. Glicinato de magnésio: Trata-se de uma forma de magnésio que tende a fornecer os mais altos níveis de absorção e biodisponibilidade e é geralmente considerada ideal para aqueles que estão tentando corrigir uma deficiência;
  2. Oxido de magnésio: É um tipo de magnésio ligado a um ácido orgânico ou um ácido de gordura. Contém 60% de magnésio, e tem propriedades laxantes;
  3. Cloreto de magnésio: Contém apenas 12% de magnésio, mas tem uma melhor absorção do que as outras formas;
  4. Hidróxido de magnésio (leite de magnésia): É tipicamente usado como laxante. Note que é fácil sofrer overdose com este produto devido ao seu preço e facilidade em ter onde comprar. Por isso, somente tome-o ao ser indicado por um médico;
  5. Carbonato de magnésio: Tem propriedades antiácidas e contém 45% de magnésio;
  6. Taurato de magnésio: Contém uma combinação de magnésio e taurina, um aminoácido. Juntos, eles tendem a proporcionar um efeito calmante sobre o corpo e a mente;
  7. Citrato de magnésio: Trata-se da combinação de magnésio com ácido cítrico e tem propriedades laxativas;
  8. Treonato de magnésio: É um tipo mais recente de suplemento de magnésio que parece promissor, principalmente devido à sua capacidade superior de penetrar na membrana mitocondrial.

Como diz o Dr. Lair Ribeiro, cardiologista brasileiro que defende o uso do magnésio, este elemento é um santo remédio. E isso não é propaganda de indústria farmacêutica pois este ramo não tem interesse em que o magnésio seja amplamente indicado pelos médicos – não é elemento possível de ser patenteado, não pode ter dono pois é um elemento natural, que a natureza nos deu. Veja no vídeo abaixo o que diz o Dr. Lair Ribeiro e leve esses argumentos ao seu médico de confiança. Quem sabe ele, o seu médico, também vai se interessar.

Please follow and like us:

Mensagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *